Brumadinho

Uma cidade, no interior de Minas Gerais, próxima a capital, Belo Horizonte, com pouco mais de 35 mil habitantes. Um nome diferente, que soa singeleza, mas hoje está de luto. Há mais de sete dias, Brumadinho deixa de ser a pacata cidade do interior e se transforma em tragédia e muita, muita dor. Vai ser difícil esquecer o fatídico dia 24 de janeiro de 2019. Trabalhadores, pessoas comuns, estavam tranquilas, cumprindo suas missões, quando a barragem no complexo de mineração da cidade, se rompeu. Só quem estava lá, pode falar com propriedade os momentos de terror, angústia e aflição, mas alguns que por “sorte ou providência divina”, conseguiram escapar da tragédia que assolou a cidade. Hoje os olhos de todo o mundo estão voltados para Brumadinho. Orações, promessas, fé e esperança são as molas mestras que cada um busca para, ainda, continuar em frente. É muita dor, é muita desolação e a pergunta que paira no ar? Porque não houve ações preventivas? Porque não teve como minimizar estes impactos tão devastadores? Algumas pessoas podem até pensar que foi um acidente, uma catástrofe ou qualquer outra “coisa” que poderia ter acontecido, mas pelo que tudo indica, não foi bem assim: Foi um crime. Foi ganância, foi irresponsabilidade que nenhuma indenização poderá pagar. Vidas, famílias, o dinheiro não compra. Imaginem o desespero daquelas pessoas, correndo sem saber para onde e por mais ágeis que fossem, centenas delas foram tragadas por lama, soterradas, sem qualquer change de lutar para sobreviver. É no mínimo monstruoso. Todos esperam que os responsáveis sejam punidos, penalizados, não apenas com dinheiro, mas com suas consciências putrefatas que só pensam no dinheiro, na riqueza, mesmo que estes custem vidas humanas. Meus Deus, quantos sonhos destruídos, quantas vidas perdidas assim, em poucos minutos. Tudo aconteceu na Barragem 1 da Mina do Córrego do Feijão.

Brumadinho 1

Realidade

Brumadinho depende da mineração, assim como muitas outras cidades do estado de Minas Gerais. A indústria proporciona os empregos mais bem pagos e os tributos necessários para o financiamento dos serviços públicos de que a população precisa. Mas é também uma bomba relógio. A mesma tragédia que devastou Brumadinho aconteceu há três anos, quando outra barragem se rompeu na cidade de Mariana também em Minas Gerais, matando 19 pessoas e contaminando os rios e a vegetação nativa de três estados diferentes. Ambos os complexos de mineração pertenciam à Vale S.A., gigante brasileira de mineração, embora a barragem de Mariana fosse também gerida pela BHP Billiton, uma empresa anglo-australiana.

Redução de custos

Cidades como Brumadinho e Mariana são reféns da flutuação nos preços globais do minério de ferro. Quando os preços estão baixos, as empresas tentam cortar gastos ao máximo, o que significa que a manutenção das barragens não é priorizada, afirma Tádzio Coelho, professor da Universidade Federal do Maranhão que estuda os impactos sociais e ambientais da mineração. Segundo Coelho, as flutuações sempre estiveram diretamente ligadas ao crescimento da China. Entre 2002 e 2011, o mundo passou por um boom do minério de ferro, ao mesmo tempo em que a China alcançava um crescimento de dois dígitos. A demanda chinesa por insumos para construir casas e fábricas crescia cada vez mais, o que, por sua vez, transformou empresas de mineração, como a Vale, em negócios altamente lucrativos. Porém, por volta de 2012 o crescimento chinês começou a desacelerar de forma significativa. Os preços do minério de ferro sofreram uma queda brusca, o que afetou a economia do Brasil. Em 2011, uma tonelada de minério de ferro era vendida a 126 dólares; entre 2017 e 2018, o mesmo produto custava cerca de 50 dólares. Na busca por satisfazer os acionistas, as mineradoras precisaram fazer escolhas difíceis.

Homenagem

Após uma semana, no mesmo horário, 12h36, houve uma homenagem às vítimas deste desastre ecológico…Momentos de muita comoção que reuniu bombeiros, equipes de resgates, familiares, enfim, seres humanos que se importam com o seu semelhante.

 

Os Cães de busca e salvamento estão fazendo a diferença na missão

Uma das técnicas utilizadas é chamada de desmanche hidráulico , que consiste em usar a força da água de uma mangueira para retirar solo mais endurecido e abrir acessos aos locais onde há corpos.

Mais imagens dos trabalhos incansáveis das equipes de resgate.

 

 

* Fonte e imagens: Wikicommons, Corpo de Bombeiros, internet, PMMG, Diálogo Chino

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s